A importância da frustração para a saúde mental

A importância da frustração para a saúde mental

Frustração, substantivo feminino; estado de um indivíduo quando impedido por outrem ou por si mesmo de atingir a satisfação de uma exigência pulsional.

Foto deMitchell Griest via Unsplash

Quando seguros e confortáveis diante de experiências positivas, nossos pensamentos permeiam as reações desejadas para cada atitude, sem levar nossa mente para outras soluções. Ao vermos que os planos não seguiram os passos que mentalizamos, precisamos lidar com a frustração.

A aprendizagem em lidar com a frustração é algo que deve ser trabalhado desde a infância. Crianças necessitam construir as vivências num roteiro completo. Quando a vivência sofre ruptura, muitos pais tendem a interromper o processo com o intuito de proteger, impedindo que a criança lide com a frustração de uma experiência que não seguiu os passos que ela mentalizou. Dessa forma,  o aprendizado com a vivência não acontece.

Desde de simples ações como um tombo ou ouvir um não no supermercado até a questões mais complexas, como a morte de um animal de estimação ou parente. Os exemplos citados e muitos outros devem ser trabalhados na infância, seja aprendendo a se levantar sozinho ao cair e seguir brincando, controlar a histeria ao ouvir o não e entender os seus motivos, compreender o ciclo da vida e lidar com o luto.

Num outro ponto, os pais precisam compreender as fases da infância e usar em cada fase técnicas que ajudarão seus filhos a aprenderem com as frustrações e serem adultos mais resilientes.

A frustração não deve ser ignorada, deve ser analisada e superada.

Como lidar com a frustração?

Se um adulto compreende suas limitações em lidar com frustrações, temos um primeiro passo no caminho certo. Compreender seus pontos de fraqueza e trabalhá-los para melhor é o ideal para uma boa saúde mental.

Ter um acompanhamento terapêutico e psiquiátrico é uma forma de iniciar o processo de avaliar para trabalhar e controlar suas experiências frustrantes pensando numa melhoria a longo prazo, não apenas numa única vivência negativa.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *